Quarta-feira, 24 de julho de 2024 - Email: [email protected]




Condenação de Glaucione Rodrigues ex-prefeita de Cacoal e o marido Daniel Neri repercute em todo o estado

R$ 30 mil, em plena pandemia de Coronavírus. Além de Glaucione Rodrigues, Daniel Neri, Carlos Magno e deputado federal Lebrão são mencionados pela Justiça.



- Advertisement -
Glaucione é ex-prefeita de Cacoal e foi afastada por corrupção

Nesta segunda-feira, 20 de novembro, foi divulgada a condenação da ex-prefeita de Cacoal (RO), Glaucione Maria Rodrigues Neri, o marido dela Daniel Neri, no caso que envolve pedidos de propina para a empresa MFM Soluções Ambientais LTDA – ME, em 2020.

ENVOLVIDOS NO PROCESSO:

  • Lebrinha; – São Francisco do Guaporé
  • Lebrão; – São Francisco do Guaporé
  • Glaucione Rodrigues; – Cacoal
  • Daniel Neri; – Cacoal
  • Luiz Ademir Schock; – Rolim de Moura
  • Carlos Magno Ramos; – Ji-Paraná e agora em Porto Velho
  • Marcito Pinto (falecido). – Ji-Paraná

ACESSE OS DOCUMENTOS ABAIXO:

Decisão TJ-RO Prisão e outras cautelares criminais Glaucione Neri e outros

Alegações Finais MPRO Autos 70117685620218220007

SENTENÇA Condenatória Glaucione e Daniel Neri Autos 7011768-56.2021.8.22.0007

A ex-prefeita de Cacoal, Glaucione Rodrigues, presa na operação reciclagem pelo crime de concussão, foi condenada a quatro anos e seis meses de reclusão, mais multa de R$ 48 mil reais.

Daniel Neri que é seu esposo foi condenado a 2 anos de reclusão mais multa de 11 mil reais.

Segundo que foi apurado pela Justiça, o casal recebeu ao todo R$ 120 mil de forma ilegal, da empresa MFM.

Esposo Daniel Neri está com as mãos na cabeça e Glaucione coloca dinheiro dentro de uma bolsa

Em setembro de 2020, Glaucione Rodrigues foi gravada colocando dinheiro numa bolsa, que conforme a Justiça seria proveniente de propina.

A época ela foi presa na Operação Reciclagem.

Segundo as informações produzidas pela Polícia Federal, o empresário Fausto de Oliveira Moura, que é representante das empresas MFM Soluções Ambientais LTDA – ME e Rondônia Limpeza Pública e Serviços de Coleta de Resíduos LTDA (RLP), teria sido pressionado a pagar valores indevidos em abril, maio e junho, além de um pagamento em 1º de agosto de 2020.

Segundo a PF, a ex-prefeita de Cacoal exigiu recebimento de valores do empresário Fausto em virtude da contratação das empresas, sendo repassados valores indevidos nos dias 15/04/2020, 16/05/2020, 29/05/2020 e 27/06/2020, um montante de R$ 30 mil, mensais em plena pandemia de Coronavírus.

A Polícia Federal ainda confirma que Glaucione teria recebido dinheiro no dia 1º de agosto de 2020.  Ainda conforme a investigação da PF, Glaucione foi até a sede da empresa do empresário Fausto, acompanhada de seu marido Daniel Neri, para receber a vantagem indevida pessoalmente.

Como Fausto já havia informado para a Polícia Federal sobre o pedido de propina, Glaucione e o marido foram filmados pegando o dinheiro.

Ex-prefeita foi filmada colocando dinheiro dentro de uma bolsa

Glaucione Rodrigues tem 55 anos e é formada em Letras pela UNESC, além de Direito pela ULBRA e Pós-graduada em Administração Hospitalar e em Gerenciamento de Unidade Básica de Saúde. Foi concursada em 1994, na Prefeitura Municipal de Cacoal como datilógrafa, quando assumiu a Secretaria Municipal da Saúde em Cacoal até 1996. Assumiu novamente em 2001 e em 2002. Glaucione Rodrigues também foi adjunta da Secretaria Municipal da Saúde em Ariquemes (RO) no período de 2001 a 2002. 

Além de Glaucione Rodrigues, a ex-prefeita de São Francisco do Guaporé Gislaine Clemente (Lembrinha), que era presidente do Consórcio Público Intermunicipal da Região Centro Leste do Estado de Rondônia (CIMCERO), deputado federal Lebrão, a época deputado estadual, pai de Lebrinha, o já falecido ex-prefeito de Ji-Paraná Marcito Pinto e ex-secretário de administração de Ji-Paraná, Carlos Magno Ramos e o ex-prefeito de Rolim de Moura Luiz Ademir Schock, foram mencionados pela Justiça como envolvidos no esquema.

Decisão da Justiça

Com efeito, fixo a pena-base em 02 (dois) anos de reclusão e multa de R$ 22.000,00 (vinte e dois mil reais), equivalente a 10 (dez) dias-multa à razão de 02 (dois) salários-mínimos vigentes à época dos fatos.

Milita em favor da ré a circunstância atenuante da confissão qualificada, na medida em que confirmou o recebimento dos valores, todavia, mantenho inalterada a pena nos termos da Súmula 231 do STJ.

A fixação do dia-multa em dois salários-mínimos tem lugar em razão da condição pessoal da ré e sua capacidade financeira, vez que exercia do cargo de Prefeita Municipal e conforme apurado nos autos, houve o pagamento de R$ 120.000,00 (cento e vinte mil reais) a título de vantagem indevida.

A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da ordem pública, por conveniência da instrução criminal ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova de existência do crime e indícios suficientes da autoria.

 

Mais informações a qualquer momento…

Relembre ainda:

Segundo Glaucione Rodrigues, empresário que a “traiu” afirmava; “você será governadora do Estado”

 

Mesmo respondendo a processo por receber propina Glaucione Rodrigues tem contas de 2019 aprovadas pela Câmara de Vereadores de Cacoal

 

Enquanto Fúria explicava duas operações na prefeitura de Cacoal, nesta semana num canal de TV local, ex-prefeita Glaucione se defendia e alfinetava noutro



Últimas Notícias





Veja outras notícias aqui ▼